Risotto de cogumelos shiitake e vinho Porto # Shiitake mushrooms and Port wine risotto

 

mesa10

 

A minha “relação” com o risotto nunca chegou a ser de ódio mas com o tempo e a ajuda da minha capacidade de aprender a gostar de quase tudo ( fígado não, por favor!) acabou eventualmente por ser de amor. Começou pela indiferença. A reação normal de alguém que até então criava uma certa resistência a todos os arrozes que incluíssem álcool e manteiga na mesma receita. Ainda agora não gosto particularmente de vinho branco no risotto, prefiro bebidas mais aromáticas como vermute ou Porto. Mas lentamente algo foi mudando e muito à conta dos cogumelos selvagens que trazemos para casa nas nossas idas à mata. Continue reading “Risotto de cogumelos shiitake e vinho Porto # Shiitake mushrooms and Port wine risotto”

Tarte de boletos com alho, chévre e estragão # Boletus mushrooms tart with garlic, chévre and tarragon

tart0

 

Esperei por isto pacientemente. O abrandar do Verão. A chegada de Outubro, num ritmo mais lento, trazendo as primeiras chuvas outunais, intercaladas pelo calor do sol, para finalmente poder ver o brotar por entre a turfa húmida das Terras de Basto de mais uma geração de cogumelos selvagens.

Por dois dias andamos pela floresta por tanto tempo quanto a luz do dia o permitiu. Caminhos coloridos por uma palette de cores quentes. A névoa a deslizar por entre as árvores e cursos de água escondidos pelos fetos altos. Um cenário real tocado pela fantasia. Pela altura de regressarmos a casa já tínhamos connosco uma boa remessa de boletos e uns quantos parasois, dois dos mais saborosos cogumelos comestíveis.

Este é para mim um ritual de passagem. O momento que marca de uma vez por todas a chegada do Outono e que abre caminho para tudo de bom que virá até ao final do Inverno:  Arrozes cremosos. Estufados reconfortantes. O cheiro das maças assadas. A festa do Natal. … mas por agora uma tarte areada de deliciosos boletos com alho, chévre e estragão é quanto basta para manter acesa a luz ténue e aconchegante de mais um Outono com muito de bom para viver.

In English

I waited for this patiently. The slowing down of Summer. The arrival of October, in a slower pace, bringing the first Autumn rains, interspersed by the warmth of the sun, so I could finally see  through the wet peat of Terras de Basto the sprouting of one more generation of wild mushrooms.

For two days we walked through the forest for as long as daylight allowed it.  Paths colored by a warm color palette. The mist sliding through the trees and streams hidden by high ferns. A real scenario touched by fantasy. By the time for our return home, we already had a good batch of boletus and a few parasols, two of the tastiest edible mushrooms around.

This is for me a rite of passage. The moment that marks once and for all the arrival of Autumn, which opens the way for all the good things that will come until the end of the winter: Creamy rices. Comforting stews. The smell of roasted apples. The Christmas party. … But for now a crumbly tart of delicious boletus with garlic, tarragon and chévre is enough to keep alive the faint, warm light of one more Autumn with so much goodness to live.

 

mist0

caixa-cogumelos0 cogumelos0 dropsa0

 

 

tarte

Ingredientes:

Massa areada:

  • 250 g de farinha
  • 130 g de manteiga bem fria, cortada em cubos
  • 2 ovos pequenos
  • 2 colheres de sopa de estragão seco
  • Pitada de sal

Recheio:

  • 300 g boletos, limpos e cortados em pedaços (podem substituir por cogumelos portobello ou marrom)
  • 5 dentes de alho
  • 100 g de queijo chévre
  • 3 colheres de sopa de azeite
  • Sal a gosto
  • Pimenta preta a gosto

Para pincelar:

  • 1 ovo batido com um pouco de leite

Preparação:

  1. Comece por fazer a massa, colocando a farinha, a manteiga, o sal e o estragão num processador e processe até que a mistura se pareça com migalhas.
  2. Junte os ovos e processe novamente até a massa formar uma bola.
  3. Faça um disco com a massa embrulhe em película e leve ao frio por 30 minutos.
  4. Tire a massa do frio e estenda-a numa superfície enfarinhada, forre uma tarteira anti aderente (se usar uma de ceramica unte-a com manteiga primeiro), embrulhe-a em película e leve agora ao cogelador por 15 minutos. Se gostar corte umas folhas de massa para decorar a tarte mais tarde e leve-as também ao congelador.
  5. Pré aqueça o forno a 200º, marca 6 do fogão a gás.
  6. Tire a tarteira do congelador e coloque por cima da massa uma folha de papel vegetal, cubra o papel com arroz ou feijões secos e leve ao forno por 25 minutos. Leve as folhas de massa também ao forno em cima de um pedaço de papel vegetal.
  7. Entretanto aqueça o azeite numa sertã, junte os cogumelos, os alhos inteiros (com a pele) e salteie por alguns minutos até que os cogumelos reduzam de tamanho. Tempere com sal e pimenta preta a gosto. Reserve.
  8. Tire a tarteira e as folhas de massa do forno, deite fora o papel e o arroz ou feijões e receheie a tarte com os cogumelos e os alhos. Se tiverem largado muito líquido deite fora para que a tarte não fique ensopada. Espalhe pedaços de chévre por cima do recheio, espalhe as folhas de massa por cima, pincele apenas a massa e as folhas com ovo batido com um pouco de leite e leve ao forno por 20 a 25 minutos, até a tarte ficar dourada.
  9. Depois de tirar do forno retire a pele aos alhos, que ficam doces depois de assados, e sirva.

 

 

mb

 

Ingredients:

  • 250 g flour
  • 130 g cold, diced unsalted butter
  • 2 small eggs
  • 2 tbsp dry tarragon
  • Pinch of salt

For the filling:

  • 300 g boletus mushrooms, cleaned and cut into pieces ( you can substitute for portobello or cremini mushrooms)
  • 100 g of chévre
  • 3 tbsp olive oil
  • 5 garlic cloves
  • Salt to taste
  • Black pepper to taste

Egg wash:

  • 1 egg
  • A bit of milk

 

Preparation:

  1. Start by making the dough, placing the flour, butter and tarragon in a food processor and process until the mixture resembles crumbs.
  2. Add the eggs and process again until the dough forms a ball.
  3. Make a disc with the dough wrap it in foil and put in the cold for 30 minutes.
  4. Take the dough out of the cold and roll it on a floured surface, line a non stick tart tin, wrap it in foil and put in the freezer for 15 minutes. You can cut a few dough leaves to decorate the pie later and take them also to the freezer.
  5. Preheat oven to 200 °, 400F, mark 6 of the gas stove.
  6. Remove the tart tin from the freezer and place one sheet of parchment paper on top of the dough, cover the paper with rice or dried beans and bake for 25 minutes. Bake also the dough leaves on top of a bit of parchment paper.
  7. In the meantime, heat the oil in a frying pan, add the mushrooms, whole garlic (with the peel on) and sautée them for a few minutes until the mushrooms reduce size. Season with salt and black pepper to taste. Reserve.
  8. Remove from the oven, discard the paper and rice or beans and fill the tart with mushrooms and garlic. If the mushrooms release a lot of liquid, discard it, so the pie does not get soaky. Scatter pieces of chévre over the filling, place the dough leaves on top, brush the edges of the crust and the leaves with the egg wash and bake for 20 to 25 minutes, until the crust is golden.
  9. Once out of the oven remove the skin of the garlic cloves, which are sweet after baked, and serve.

 

 

 

roses0

Naan com hummus de manjericão, tomates e folhas verdes # Naan with basil hummus, tomatoes and green leaves

naan0

 

Esta aventura que começou há 8 anos e que se dá pelo nome de Pratos & Travessas já começava a extravasar pelas paredes e cantos do Blogger que começou a ser um espaço pequeno demais para um projeto que continua a crescer e por fim decidi mudar-me de malas e bagagens para uma nova plataforma e organizar tudo de novo.  Mudar para o WordPress foi um processo e tanto mas esta é uma mudança  muito pensada e desejada e agora o blogue tem toda uma nova dinamica e muito mais a oferecer. Desde o design estilizado e mais clean, sem deixar de ter um toque natural, passando pela organização das receitas, que estão catalogadas por estações, por categorias e por outros temas como as viagens e as refeições Al fresco e outras novidades que poderão surgir entretanto. Esta “casa” também é vossa por isso explorem cada canto, sem inibições, garanto-vos que há muito a descobrir!

E com tanto que tenho tido em mãos a palavra de ordem é por agora “descomplicar”.

Este hummus é daquelas coisas boas que é sempre bom ter de reserva no frigorífico. Cremoso e aromático faz umas sandwiches de naan, ou outro pão que prefiram, super saborosas e frescas.

Este é sem dúvida o tipo de petisco que eu escolho para um dia intenso de trabalho, nunca me desaponta.

 

Entretanto espreitem a revista Activa de Setembro, eu e o livro estamos por lá.

E deixo-vos este artigo fantástico que me encheu as medidas.

 

In English

This adventure that began in 2008 and that goes by the name of Pratos & Travessas  was beginning to overflow the walls and corners of Blogger so finally I decided to move with bags and luggage to a new platform and organize the house again. Moving to WordPress was quite a process but this was a very thought and desired change and the blog has now a whole new dynamic and much more to offer. From the stylized, more clean design, while having a natural air, through the organization of the recipes that are cataloged by seasons and categories, other themes such as Travel and Al fresco meals and other news that may arise in the meantime. This “house” is also yours so explore every corner without inhibitions, I assure you that there is much to discover!

And with so much in hands, my favorite word right now is “uncomplicate”.

This hummus is one of those good things that is always good to have has a reserve in the refrigerator. Creamy and aromatic makes a great naan sandwiche, super tasty and fresh . This is certainly the kind of snack that I choose for an intense day of work, it never disappoints me .

In the meantime the book was beautifully featured in Actica magazine, September issue.

And I leave you this wonderful article that filled my measures.

 

tomates10

hummus 20

Naan com hummus de manjericão, tomates e folhas verdes

 

Ingredientes:

  • Pão naan
  • Tomates a gosto
  • Folhas verdes à escolha
  • Para o hummus:
  • 450 g de grão de bico cozido + um pouco da água da cozedura
  • 150 ml de azeite de boa qualidade (7% de acidez ou menos)
  • 1 molho grande de manjericão, cortado em pedaços
  • 3 dentes de alho ralado
  • Pitada de sal

 

Preparação:

  1. Para cozer o grão deixe-o de molho durante a noite e no dia seguinte coza-o durante cerca de 40 a 50 minutos, até ficar tenro. Guarde um pouco da água da cozedura para o hummus. Pode congelar a restante água para fazer por exemplo uma sopa.
  2. Num processador coloque todos os ingredientes, incluindo um pouco da água da cozedura do grão e triture até ficar com uma pasta macia, se achar que está um pouco dura junte mais um pouco de água de cozedura.
  3. Barre uma boa quantidade de hummus em cada naan, junte tomates cortados e folhas verdes, regue com azeite e sirva como uma sandwich.

 

 

Naan with basil hummus, tomatoes and green leaves

Ingredients:

  • Naan bread
  • A handful of cherry tomatoes
  • Green leaves to taste
  • For the hummus
  • 450 gr. cooked chickpeas + a bit of the cooking water
  • 150 ml of good olive oil (7% acidity or less)
  • A big bunch of basil cut into pieces
  • 3 garlic cloves, minced
  • Pinch of salt

 

Preparation:

  1. To cook the chickpeas soak them in water during the night and the next day put them in a heavy bottomed pan with fresh water and cook for about 40 to 50 minutes, until tender.
  2. Drain but keep a bit of the water for later. You can freeze the remaining cooking water to make soup.
  3. Put all  the ingredients into a food processor and process until you have a smooth paste. If you think it´s too dry, add a little bit more of cooking water. Check the seasoning.
  4. Spread a good portion of hummus into the bread, top with tomatoes and green leaves to taste. Drizzle with a bit of olive oil. Eat.

 

tomatoes0