Uma semana em Itália: Lázio, Úmbria e Toscana # A week in Italy: Lázio, Úmbria and Tuscany

 

Perugia

 

Itália.

Civilização ancestral. Território de batalhas e conquistas. Conspirações, tramas e traição.  A criação de um Império. E um modo muito próprio de cultivar as coisas boas da vida. Arte, beleza, boa mesa.

Eu podia continuar indefinidamente. Talvez porque cresci a ler as aventuras antigas deste país mediterrânico. Deste país feito de histórias milenares mas que só se tornou uma nação unificada a partir do séc. 19.

Aterramos em Roma para partirmos de seguida, sem um olá ou um adeus, mais tarde haveria tempo para isso. Levantamos o nosso Fiat e seguimos para norte, a caminho de Perugia. Aos poucos fomos passando a zona de Lázio, deixando para trás o caos do transito dos arredores de Roma para aos poucos ver a paisagem circundante mudar de urbana para mais e mais campestre. A minha primeira impressão do território italiano foi reconhecer nele uma grande semelhança com Portugal. As construções são a exceção. O tom claro da pedra usada nas construções mais antigas que saltam à vista nas fortificações no topo dos montes. Essa é uma característica tipicamente italiana que iria marcar a paisagem pelos cerca de 900 kms que percorremos entre Lázio, Úmbria e Toscana.

Perugia é a capital da Úmbria, uma pequena cidade cheia de charme que é também a capital do chocolate de Itália. Perdemo-nos pelas ruelas estreitas, por vezes sombrias e sempre pitorescas para depois nos encontrarmos na Piazza 4 Novembre, e mais adiante, já em plena happy hour deixamo-nos ficar numa esplanada a ver o vai e vem dos locais e dos turistas. Enquanto isso o meu primeiro negroni em território italiano aterrou prontamente na mesa. A hora do aperitivo estava oficialmente aberta.

O nosso jantar nessa noite foi memorável. Devo dizer que sempre que viajo faço a minha cota parte de pesquisa. Os pontos de interesse, cafés, lojas e restaurantes. Aponto tudo em folhas de papel, para depois chegar ao destino e só ter em conta 5% de toda a pesquisa feita. Bom mesmo é chegar a um lugar e seguir o instinto para depois fazer uma descoberta memorável.

O restaurante del Sol surgiu-nos durante a tarde, ao passarmos um arco de pedra, num ponto alto da cidade que revelava um pátio com uma vista sobre Perugia fantástica e mal nos apercebemos que ao lado tinha um café com terraço e no piso de baixo, um restaurante com uma sala envidraçada com toda aquela panorâmica à volta. Tanto o espaço como a ementa eram bastante interessantes e decidimos regressar para o jantar e só lamentamos não termos tido uma segunda noite na cidade para lá voltar.

As nossas escolhas?

Ovos marinados com açafrão e trufas

Tarte de batata com cogumelos porcinni

Misto de lulas e gambas fritas

Pappardelle com ragú de javali

Vinho tinto da região

Na manhã seguinte seguimos viagem  rumo a Montepulciano e Cortona. Primeiro com passagem pelo imenso lago Trasimeno que mais parece um mar, ainda na Úmbria, para depois passarmos aos campos infinitos e verdes da Toscana.

Tanto Montepulciano como Cortona são comunas italianas, muito pitorescas, cada uma com a sua praça central onde convergem turistas e locais. Cortona é um pouco maior, com uma grande herança etrusca, tal como Perugia, incluindo a muralha que em parte a circunda e várias lojinhas e ateliers de artistas. Montepulciano é mais pequena, Com muita tradição de vinhos e artesanato toscanos. Aqui provamos o coelho bêbado com azeitonas, o peito de pato recheado e um prato de queijos pecorino e caprino servidos com doce de abóbora, mel e pêra assada. Delizioso! Os links estão mais abaixo.

Perugia – Ristorante del Sol

Montepulciano – La Trattoria

(continua em breve…)

 

English

Territory of battles and conquests. Conspiracies, plots and betrayal. Ancient civilization. The creation of an Empire. And a very unique way of cultivating the good things in life. Art, beauty, good table.

I could go on indefinitely. Maybe because I grew up reading the ancient adventures of this Mediterranean country. Of this country made of millenarian stories but that only became a unified nation since the 19th century.

We landed in Rome to leave immediately, without a hello or goodbye, later there would be time for that. We picked up our Fiat and headed north on the way to Perugia. Gradually we were passing the area of ​​Lazio, leaving behind the chaos of traffic from the outskirts of Rome to gradually see the surrounding landscape, changing from urban to more and more campestral. My first impression of the Italian territory was to recognize a great similarity with Portugal. Buildings are the exception. The light tone of the stone used in the oldest buildings that are visible in the fortifications on the top of the hills. This is a typical Italian feature that would mark the landscape for about 900 km that we traveled between Lazio, Umbria and Tuscany.

Perugia is the capital of Umbria, a small town full of charm that is also the chocolate capital of Italy. We lost ourselves in the narrow streets, sometimes somber and always picturesque, and then we met again in Piazza 4 Novembre and later, in the happy hour, we rested our wanderer bodies on a terrace, seeing the comings and goings of people. My first Negroni on Italian ground landed promptly on the table. The aperitif time was officially open.

Our dinner that night was memorable. I must say that every time I travel, I do my share of research. The points of interest, cafes, shops and restaurants. I point everything out on sheets of paper, then get to the destination and only take into account 5% of all the research done. It’s good to arrive to a place and follow the instinct and then make a delightful discovery.

The Ristorante del Sol appeared to us during the afternoon, when we passed a stone arch, in a high point of the city that revealed a patio with a fantastic view over one side of Perugia and we soon realized that next to it there was a cafe with a beautiful terrace and on the floor below , a restaurant with a glazed room with all that panoramic view around. Both the space and the menu were quite interesting and we decided to return for dinner and only regret that we did not have a second night in town to go back there.

Our Choices?

Marinated eggs with saffron and truffles

Potato pie with porcini  mushrooms

Mixed squid and fried shrimp

Pappardelle with wild boar ragout

Region red wine

The next morning we continuedour journey towards Montepulciano and Cortona, passing  first through the immense Lake Trasimeno, that looks more like a sea, still in Umbria, and then to the infinite green fields of Tuscany.

Both Montepulciano and Cortona are Italian communes, very picturesque, each with its central piazza where tourists and locals converge. Cortona is a little bigger, with a great Etruscan heritage, just like Perugia, including the wall that surrounds part of it´s centro storico and several small shops and workshops of artists. Montepulciano is smaller, with much tradition of Tuscan wines and crafts. Here we sample the drunken rabbit with olives, stuffed duck breast and a plate of pecorino and goat cheese served with pumpkin jam, honey and roasted pear. Delizioso! The links are below:

Perugia – Ristorante del Sol

Montepulciano – La Trattoria 

(continues soon…)

 

 

Lago Trasimeno

 

Montepulciano

Cortona

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Advertisements