Bolo Bundt de amêndoa e laranja com xarope de alperces # Almond and orange bundt cake with apricot syrup

 

É uma coisa de hábito, como o tanto que se desenrola no dia a dia. Há quase um ano passei a beber o café puro, sem açúcar. Não foi fácil, nem tão pouco foi uma coisa imposta. Foi antes um desafio criado a dois,entre mim e o João. Primeiro estranhamos a ideia, e ainda mais o sabor mas depois aos poucos a coisa foi tomando corpo, entranhou-se,  e eu que até aí apreciava mais o aroma do que o sabor, agora conheço-lhe as nuances, a cremosidade, a torrefação. Com essa mudança diminuíram  também os meus desejos por doces.

Tudo isto para vos dizer que não têm acontecido muitos bolos por aqui e a prová-lo o último que esta casa viu foi este. Por outro lado e  apesar da minha recente compreenção dos genuínos prazeres do café,  a minha bebida preferida continua a ser o chá, o conforto líquido para os dias mais frios,  e esta Primavera tem tido uns quantos.

E pronto, uma coisa leva a outra. Chá sem bolo não é a mesma coisa e então aconteceu.

Depois de meses voltei a fazer um bolo. Não é que se seja importante, não é propriamente o mesmo que fazer uma descoberta decisiva para o bem estar da humanidade mas sendo este um blog de comida, fazer um bolo é sempre digno de ser apregoado e mais ainda, partilhado.

Este é um bolo simples e fácil, coisa muito útil para quem tem “outros cozinhados” a borbulhar. E ainda assim é especial e deliciosamente húmido, feito com amêndoa moída e raspa de laranja o que me lembra sempre  o médio oriente. O xarope de alperces é o que o eleva a um outro nível. Simples e fácil que com uma decoração bonita e um xarope frutado e sedoso facilmente se transforma num bolo de festa.

E isso, cá entre nós, é uma coisa boa de se ter por perto… Ainda que seja só de vez em quando.

 

In English

It´s  a thing of habit, like so much that unfolds in the day to day life. Almost a year ago, I started drinking pure coffee, without sugar. It was not easy, nor was it an imposed thing. It was rather a two-way challenge between me and João. First we were suspicious of the idea, and even more of the flavor, but then the thing gradually took on shape, it became ingrained, and I that  appreciated the aroma more than the Taste, I now know it´s nuances, the creaminess, the roasting. With this change my desires for sweets also diminished.

All this to tell you that not many cakes have happened here latelly and to prove it the last one this house saw was this one. On the other hand, and despite my recent understanding of the genuine pleasures of coffee, my favorite drink remains tea, the liquid  comfort for colder days, and this spring has had a few.

And that’s it, one thing leads to another. Tea without cake is not the same thing and then it happened.

After months I made a cake again. It´s not that it is important, it´s  not exactly the same as making a decisive discovery for the well being of mankind but being this a food blog, making a cake is always worthy of being praised and even more,  shared.

This is a simple and easy cake, something very useful for those of us  who have “other cookings” bubbling away.  And yet it is special and deliciously moist, made with ground almonds and orange zest, which always reminds me of the Middle East.  The apricot syrup is what elevates it to another level. Simple and easy that with a beautiful decoration and a fruity and silky syrup becomes a cake fit for a party.

And that’s a good thing to have around… Even if only occasionally.

 

 

Ingredientes:

  • 200 g de farinha
  • 200 g de amêndoa moída
  • 200 g de açúcar amarelo
  • 200 g de manteiga sem sal
  • 200 ml de leite meio gordo ou gordo
  • 4 ovos
  • 2 colheres de chá de fermento em pó
  • Pitada de sal
  • 1 colher de chá de baunilha, extrato ou aroma
  • Raspa de 1 laranja
  • Pistácios para decorar

Xarope de alperce:

  • 300 g de alperces cortados e sem caroço
  • 120 g de açúcar branco
  • 200 ml de água

Preparação:

  1. Unte e enfarinhe uma forma de bolo.
  2. Pré aqueça o forno a 170º, marca 3 do fogão a gás.
  3. Derreta a manteiga, tire do lume e junte-lhe o leite.
  4. Bata o açúcar com os ovos e a baunilha por 3 minutos.
  5. Junte-lhe a manteiga derretida com o leite, a raspa de laranja e mexa bem.
  6. Por fim junte a farinha peneirada com o fermento, o sal e a amêndoa moída e envolva tudo muito bem.
  7. Verta a massa na forma e leve ao forno por 35 minutos, ou até que um palito inserido no meio saia seco.
  8. Para fazer o xarope triture os alperces com a água num liquidificador até ficarem em puré.
  9. Leve-os ao lume com o açúcar e deixe ferver 5 minutos. Deixe arrefecer totalmente antes de usar.
  10. Tire o bolo do forno, deixe arrefecer 5 minutos na forma e desenforme.
  11. Decore com alperces frescos, pistácios picados e o xarope de alperce.

 

Ingredients:

  • 200 g of flour
  • 200 g ground almonds
  • 200 g of soft brown sugar
  • 200 g butter, unsalted
  • 200 ml semi skimmed or full fat milk
  • 4 eggs
  • 2 teaspoons baking powder
  • 1 teaspoon vanilla extract
  • Pinch of salt
  • Zest of 1 orange
  • Pistachios to decorate

Apricot syrup:

  • 300 g of apricots cut and pitted
  • 120 g white sugar
  • 200 ml of water

 

Preparation:

  1. Butter and flour a cake tin.
  2. Preheat the oven to 170º, 325 f, gas mark 3.
  3. Melt the butter, remove from the heat and add the milk.
  4. Beat the sugar with the eggs and the vanilla for 3 minutes.
  5. Add the melted butter with the milk, the orange zest and stir well.
  6. Finally add the sifted flour with the baking powder, the salt and the ground almonds and mix everything very well.
  7. Pour the batter into the prepared cake tin and bake for 35 minutes, or until a skewer inserted in the cake comes out clean.
  8. To make the syrup, blitz the apricots with water in a blender until pureed.
  9. Then take to the heat with the sugar and boil for 5 minutes. Allow to cool completely before using.
  10. Remove the cake from the oven, let it cool for 5 minutes in the tin  and then unmold.
  11. Garnish with fresh apricots, chopped pistachios and apricot syrup.

 

 

 

 

Fritos de batata, ervas e ricotta com ovos de codorniz # Herbed potato, ricotta cakes with quail eggs


 

Sábado à noite. Na tábua um naco generoso de ovelha, inteiro, à espera de ser feito em mil pedaços de carne amadurecida. Ele preferiu trazê-la do talho assim. Podia ter pedido para cortar exatamente como queria mas não, isso seria acabar com parte da diversão.

Enquanto isso uma panela cheia borbulha no fogão. Apenas água, sal e batatas e no embalo do vai e vém da faca, encho dois copos com vinho, tinto quase morno para ele, branco bem fresco para mim. O primeiro gole relaxante e damos por oficialmente aberta mais uma noite sem pressas na cozinha.

Em noites assim há sempre brie, chévre (nunca grelhado), gorgonzola, e azeitonas, que nunca faltem as azeitonas, alentejanas ou kalamata. Há também ervas frescas “plantadas” em copos com água e o sempre presente estalar da cebola e do alho no azeite quente.

Ao puré de batata já frio junto a cremosidade leitosa do ricotta e a frescura perfumada das ervas. Um fio de azeite na sertã bem quente e estamos a poucos passos de uma entrada para juntar a tudo o mais que nos apetecer.

Os pedaços de ovelha, de cor vermelho velho, cortados pacientemente foram finalmente a banhos,  mergulhados numa marinada de cerveja, alho e ervas. Dois ou três dias para amaciar as fibras da carne madura e vamos ter estufado encorpado para combinar com estes dias cinzentos e frescos.

Frito os bolos cremosos de batata até dourarem e entre goles de vinho e pedaços de queijo, frito também os ovos de codorniz. Umas quantas folhas verdes a gosto e estão prontos para receber o garfo.

Amanhã temos ovelha estufada para o jantar. Desta vez serei apenas eu na cozinha. Sem queijo, talvez algumas azeitonas, definitivamente um copo de vinho e com certeza estes fritos de batata cremosos para ampararem o molho encorpado e os pedaços de carne macia que ele tão pacientemente preparou.

 

In English

Saturday night. On the board a generous chunk of sheep, whole, waiting to be made into a thousand pieces of ripened flesh. He preferred to buy it like this. He could have asked to cut exactly as he wanted but no, that way he would miss part of the fun.

Meanwhile a full pot bubbles on the stove. Only water, salt, and potatoes, and in the swing of the coming and going  of the knife, I fill two glasses with wine, almost warm red for him, chilled white for me. The first relaxing sip and we officially open one more leisurely evening in the kitchen.

On nights like this there is always brie, chévre (never grilled), gorgonzola, and olives, may we never run out of olives, alentejanas or kalamata. There are also fresh herbs “planted” in glasses with water and the ever present sizzling of onion and garlic in the hot oil.

To the already cold mashed potatoes I add the milky creaminess of the ricotta and the fragrant freshness of the herbs. A strand of olive oil in the hot frying pan and we are just a few steps away from a starter to join whatever else we feel like.

The pieces of sheep, dark red-colored, patiently cut, were finally bathed in a marinade of beer, garlic, and herbs. Two or three days to soften the fibers of the mature meat and we will have a full bodied stew to combine with these gray and fresh days.

I fry the creamy potato cakes until golden brown and between sips of wine and pieces of cheese, I also fry some quail eggs. A few green leaves to taste and are ready to receive the fork.

Tomorrow we´ll be having sheep stew for dinner. This time I will cook alone. No cheese, maybe some olives, definitely a glass of wine and for sure these creamy potato fritters to pat the full-bodied sauce and the chunks of soft meat he so patiently prepared.

 

 

 

Ingredientes: faz cerca de 10 fritos

  • 400 g de batata sem casca
  • 200 g de ricotta
  • 2 ovos
  • 1 colher de sopa de salsa picada
  • 1 colher de sopa de cebolinho picado
  • Sal a gosto
  • Pimenta preta a gosto
  • Fio de azeite para fritar
  • Ovos de codorniz
  • Folhas verdes a gosto

 

Preparação:

  1. Coza as batatas em água temperada com sal até ficarem macias.
  2. Escorra, faça as batatas em puré e deixe arrefecer.
  3. Junte-lhes o ricotta, os ovos batidos, as ervas, sal e pimenta a gosto, mexa bem para ligar. Tape com película e leve ao frio por 30 minutos.
  4. Aqueça um fio de azeite numa sertã e coloque colheradas de massa de batata na mesma.
  5. Eu uso uma colher de gelado. Coloco bolas de massa na sertã e depois espalmo-as com a colher para lhes dar a forma de panquecas.
  6. Deixe alourar e depois vire para fritar do outro lado.
  7. Estes fritos são muito delicados, deve virá-los com cuidado para não partirem.
  8. Frite os ovos de codorniz.
  9. Sirva os fritos de batata e ricotta com folhas verdes e os ovos de codorniz em cima.

 

Ingredientes: makes about 10 cakes

  • 400 g of peeled potatoes
  • 200 g of ricotta
  • 1 tablespoon chopped parsley
  • 1 tablespoon chopped chives
  • Salt to taste
  • Black pepper to taste
  • a thread of olive oil to fry
  • Quail eggs
  • Green leaves to taste
  • 2 eggs

 

Preparation:

  1. Cook the potatoes in salted water until tender.
  2. Drain, puree the potatoes and let cool.
  3. Add the ricotta, beaten eggs, herbs, salt and pepper to taste, stir well to bind. Cover with clingfilm and take to the cold for 30 minutes.
  4. Heat a thread of olive oil in a frying pan and put spoonfuls of potato dough in it.
  5. I use an ice cream scoope. I put balls of dough in the frying pan and then spread them a bit with the spoon to give them the shape of pancakes.
  6. Fry until golden brown and then turn to fry on the other side.
  7. These cakes are very delicate, turn them carefully so that they don´t break.
  8. Fry the quail eggs.
  9. Serve these herbed potato and ricotta cakes with green leaves and quail eggs on top.

 

A nossa viagem a Italia 3 e um risotto de espargos e hortelã # Our trip to Italy 3 and an asparagus and mint risotto

 

 

Grosseto casa do maravilhoso ricotta e outros queijos italianos.

A nossa estadia aqui foi curta demais. Chegamos a meio da tarde e no dia seguinte já estávamos de partida para Roma, mas ainda assim houve tempo para aproveitar a Happy Hour de Sábado, com as ruas do centro histórico bem movimentadas e animadas e um jantar super saboroso:

Salada de canónigos, pera, pecorino e nozes

Vitela com molho de atum, que até pode parecer estranho mas que é muito bom! Esta receita é típica do Norte, de Turim mas como não íamos passar lá decidimos prová-la em Grosseto.

E por fim costeletas de cordeiro com alcachofras fritas.

Na manhã seguinte voltamos à estrada, a caminho de Roma pela costa de  Maremma, onde eu sabia que havia gemas paisagísticas escondidas mas para encontrá-las era preciso sair do percurso normal e aventurarmo-nos pelas estradas desertas de terra batida que serpenteiam as praias e montes, e apesar do dia estar cinzento, a beleza daquela costa não esmoreceu. A água azul turquesa e cristalina. O verde das encostas, por vezes selvagens e por vezes um pouco mais urbanizadas com moradias de veraneio e jardins lindíssimos. Vimos recantos inesquecíveis enquanto seguíamos viagem e ao fim da tarde chegámos no nosso último destino: Roma.

Percorrer parte de Itália, pisar neste território pela primeira vez, estar em lugares onde nunca tinha estado foi sentir a par dessa estranheza boa uma familiaridade que por algumas vezes me desarmou. Um misto de excitação e nostalgia. Mas em nenhum outro lugar isso foi tão evidente quanto em Florença e ainda mais em Roma.

Roma…

Quando olhei a cidade do “lado de cá” do rio Tibre, em Trastevere, foi amor à primeira vista. Roma é uma cidade absolutamente deslumbrante. A beleza clássica. As cores quentes. A arte. A riqueza histórica. Também é super lotada e barulhenta, mas tudo isso são detalhes que se perdem no cenário maior.

Nos dois dias que lá estivemos tomámo-la de assalto e derretemos quilómetros pelas ruas, ruelas, praças e avenidas da cidade, para no fim de cada dia voltarmos a Trastevere, exaustos, para jantar e descansar. Visitámos o mercado de Campo de Fiori, monumentos e ruínas, caminhamos na Via Sacra do Forum e subimos o Monte Palatino. E ainda assim ficou tanto, mas tanto por ver.

Itália para mim vai ficar sempre guardada no arquivo das “Viagens de uma vida”. Paisagens lindas. Pessoas afáveis. Comida maravilhosa. Não sei que outras viagens estarão por vir, até porque há muito mundo para conhecer mas esta foi extraordinária. E ainda agora, ao voltar a estes lugares através de imagens e palavras, volto a sentir a familiaridade nostálgica à flor da pele. Não há como negar. Um pedaço deste país ficou para sempre comigo.

Links:

Grosseto:

B&B Warm up Grosseto

Ristorante Canapone

Roma:

Ristorante Da Giovanna

Ristorante Campo de Fiori

Spice and Wine Bistro

Ristorante Tulipano Nero

 

 

In English

Grosseto home of wonderful ricotta and other beautiful italian cheeses.

Our stay here was too short. We arrived mid-afternoon and the next day we were leaving for Rome, but there was still time to enjoy Saturday´s Happy Hour, with the streets of the historic center crowded and lively and a super tasty dinner:

Lamb´s lettuce, pear, pecorino and walnuts salad

Veal with tuna sauce, which may seem strange but that is really very good! This recipe is typical of the North of Turin but as we were not going to pass there we decided to try it in Grosseto.

And finally lamb chops with fried artichokes.

The next morning we returned to the road on our way to Rome along the coast of Maremma, where I knew that there were hidden landscape gems  but to find them we had to leave the normal route and venture along the deserted dirt roads that meander the beaches and hills, and although the day was gray, the beauty of that coast did not fade. The turquoise, crystal clear blue water. The green of the slopes, sometimes wild and sometimes slightly more urbanized, with summer villas and beautiful gardens. We saw unforgettable sights as we continued our journey and in the late afternoon we arrived at our last destination: Rome.

Rome…

To go through part of Italy, to tread in this territory for the first time, to be in places where I had never been before was to feel at the same time a good strangeness but also a familiarity that sometimes desarmed me. A mix of excitement and nostalgia. But nowhere was this more evident than in Florence and even more so in Rome.

When I saw part of the city for the first time, I was on the “here side” of the Tiber, still in Trastevere and it was love at first sight. Rome is an absolutely stunning city. The classic beauty. The warm colors. The art. Historical wealth. It is also super crowded and noisy but all these are details that get lost in the bigger picture.

On the two days that we were there we took it by storm and melted kilometers through the streets, alleys, squares and avenues of the city, so that at the end of each day we would return to Trastevere, exhausted, for dinner and rest. We visited monuments and ruins, walked in the Via Sacra of the Forum and climbed Mount Palatine. And yet there was so much, but so much more to see.

Italy for me will always be stored in the archive of “Trips of a lifetime”. I do not know what other trips are coming, because there is a lot of world to know but this one was extraordinary. Beautiful landscapes. Affable people. Wonderful food. I do not know that other trips are coming, because there is a lot of world to know but this one was extraordinary. And even now, when I return to these places through images and words, I feel the nostalgic familiarity at the surface of my skin again. There is no denying it. A piece of this country stayed with me forever.

Grosseto:

B&B Warm up Grosseto

Ristorante Canapone

Rome:

Ristorante Da Giovanna

Ristorante Campo de Fiori

Spice and Wine Bistro

Ristorante Tulipano Nero

 

Grosseto

Maremma`s coast

 

 

Roma

 

Ingredientes: 2 pessoas

  • 1 molho de espargos + 1 lt de caldo de vegetais
  • 160 g de arroz Carnaroli ou Arborio
  • 1 cebola pequena finamente picada
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 5 folhas grandes de hortelã
  • Sal a gosto
  • 1 colher de sopa de manteiga sem sal
  • Parmesão ralado a gosto

 

Preparação:

  1. Coza os espargos no caldo com as folhas de hortelã, em lume médio baixo e com o tacho quase tapado até que fiquem tenros.
  2. Deixe arrefecer e triture tudo num liquidificador e leve ao lume novamente. Mantenha o caldo quente em lume baixo.
  3. Refogue a cebola no azeite quente e assim que ficar transparente junte o arroz e mexa por 1 ou 2 minutos.
  4. Mantenha o lume médio e comece a juntar o caldo, uma concha de sopa de cada vez. Mexa e deixe o arroz absorver todo o líquido antes de voltar a juntar nova concha de caldo.
  5. Continue assim até que o arroz fique al dente e cremoso, cerca de 17 a 20 minutos.
  6. Retifique o sal, tendo em conta que o parmesão é bastante salgado.
  7. Espere 1 ou 2 minutos para que o arroz continue a libertar o amido e então junte a manteiga e parmesão ralado e mexa vigorosamente até que fiquem incorporados.
  8. Sirva de imediato, com um fio de azeite e mais queijo se gostar.

 

Ingredients: serves 2 

  • 1 bunch of asparagus + 1 lt vegetable broth
  • 160 g of Carnaroli or Arborio rice
  • 1 small onion finely chopped
  • 2 tablespoons olive oil + for drizzling
  • 5 large leaves of mint
  • Salt to taste
  • 1 tablespoon unsalted butter
  • Grated parmesan to taste

 

Preparation:

  1. Cook the asparagus in the broth with the mint leaves, on medium low heat and with the pan almost covered until they are tender.
  2. Let it cool and blitz everything in a blender and bring to the boil again. Keep the hot broth on low heat.
  3. Sauté the onion in the hot oil and as soon as it is transparent, add the rice and stir for 1 or 2 minutes.
  4. Keep the pan in medium heat and start to add the broth, one soup spoon at a time. Stir and let the rice soak in all the liquid before adding a new spoon of broth.
  5. Continue this way until the rice is al dente and creamy, about 17 to 20 minutes.
  6. Season with salt to taste, keeping in mind that the parmesan is already salty.
  7. Wait 1 or 2 minutes for the rice to continue releasing the starch and then add the butter and grated parmesan and stir vigorously until it is incorporated.
  8. Serve immediately with a drizzle of olive oil and more cheese if you like.