Natal branco # White Christmas

Já começou!
 
Bolas brilhantes e coloridas que reluzem ao piscar constante das luzinhas de Natal. Listas de receitas e de ingredientes com tudo de bom que vai rechear a mesa deste ano. E as músicas, clássicos de sempre mas uma em especial, White Christmasa inspiração para esta postagem e a visão de uma festa de início de Inverno em que a neve que vai cobrindo tudo lá fora, é doce e branca como o açúcar.
Que me desculpem os perus, bacalhaus e demais salgados ( que eu adoro) próprios da época  mas o Natal para mim começa sempre com os doces.
Durante as últimas três semanas, sempre que o meu tempo disponível o permitiu, esta casa deixou-se invadir pelo perfume do cravinho, da noz moscada e do vinho do Porto. Do leite quente e doce, aromatizado com limão e canela. E dos fritos tradicionais da época. Deixei-me levar por uma fantasia pintada de branco, incrustada de dourados, aqui e ali, como se fossem pedras preciosas, na forma de sultanas douradas, de açúcar demerara e de gotas de mel translúcido de urze do Gerês. E pelas histórias. Em especial a de um segredo que aguardava no forno a chegada da minha avó.
Conta a minha avó que há muitos (muitos!) anos atrás, havia uma senhora que ia lá a casa ajudá-la alguns  dias por semana. E de vez em quando, ao fim do dia, assim que a minha avó regressava a casa, ela dizia-lhe baixinho: “D. Dina, o nosso “segredo” está no forno” e saía. E no forno estava a aletria, coberta por uma nuvem doce e tufada; e ela chamava-lhe segredo porque a mesma  estava escondida pelo merengue.
Mas as minhas histórias vão um pouco além do que se conta em família e há uma ou outra que não fazendo parte das que se revelam à volta de uma mesa num dia de festa, ainda assim quis guardá-las.  A receita do bolo de Natal começou com uma dessas histórias “emprestadas”. Uma história contada pela  Edna Lewis nas páginas de um livro raro que me acompanha sobretudo no Outono e no Inverno mas devo dizer-vos que da receita original apenas ficaram os básicos (açúcar branco, farinha, ovos e fermento) os restantes ingredientes foram quase todos alterados. Usei o que tinha disponível: mel, vinho do Porto, açúcar mascavado escuro, geleia de marmelo e goji. O bolo é muito simples de fazer, mas é majestoso pela quantidade de ingredientes que pede, para além disso, tem de ser feito com antecedência porque fica dois dias na forma, à espera de ir ao forno e depois demora 4 longas horas a cozer. Aliás, normalmente este bolo é feito meses antes do Natal para que possa ser “envelhecido” com rum ou brandy, coisa que eu não fiz. O resultado ( mesmo sem o “envelhecimento”) é um bolo muito denso, rico em especiarias e frutos secos e de sabor e cor fortes que quando bem acondicionado dura meses. Este não é o típico bolo fofo e macio mas é uma iguaria e foi direitinho para o top 10 de bolos dos meus herdeiros que não desfazendo, têm uma predileção especial por bolos assim robustos.
E agora que vos contei as histórias, deixo-vos então com as fotografias e as receitas e não, esta não é a última postagem antes do Natal.
Ainda nos voltaremos a encontrar antes da grande festa!
Até lá, fiquem bem  :))
Nota: Nestas receitas a manteiga usada é sem sal, os ovos são caseiros e no caso da aletria e do chocolate quente, o leite é meio-gordo ou gordo.
A receita dos bolinhos de bolina em português, está aqui.
In english
 
Has begun!
 
Bright and colorful balls that shine to the constant flashing of Christmas lights. Lists of recipes and ingredients, all the good things that will fill the festive table this year. And the songs, timeless classics, one in particular, White Christmas, the inspiration for this post and a vision of an early winter celebration in which the snow covering everything outside, is sweet and white as sugar.
I apologize to the turkeys, salty cods and other savories (that I love) typical of this time of year but for me, Christmas starts with the sweets.
In the past three weeks,  whenever my spare time alowed it, this house filled itself with the scents of cloves, nutmeg and Porto wine. Of sweet milk, aromatized with lemon peel and cinnamon and the traditional fried sweets. I let myself be carried away by a fantasy painted white and encrusted with flashes of gold as if they were precious stones in the form of golden sultanas, demerara sugar and drops of light honey from Gerês. And also the stories. Specially the one about a  “secret” that awaited in the oven for my grandmother.
My grandmother tells that many (many!) years ago,there were a lady that used to help her a few days a week. At the end of the day, when my grandmother returned home, she would tell her quietly: “D. Dina, our “secret” is in the oven”. In the oven was the aletria covered by a sweet and fluffy cloud. She called it “secret” because it was hidden by the meringue.
But my stories go a little beyond the ones told in my family and there´s a few  that although they were not told around a festive table, nevertheless I kept them. The Christmas cake recipe came from one of those “borroed” stories. A story told by Edna Lewis in the pages of a rare book, a book that accompanies me mainly during the cold days of Autumn and Winter. As far as the recipe is concerned, I have to tell you,that I´ve twisted the original a bit, using what I had in my cupboards. Ingredients like honey, dark muscovado sugar, quince jelly, goji  and Porto wine are not part of Edna Lewis recipe but nonetheless they have made a delicious Christmas cake. The cake is very simple to make but at the same time is also majestic for the quantity of ingredients it asks for.  Besides that, it has to be made in advance, because it stays in the tin for two days before going into the oven, and then it takes four long hours to bake. It is usually baked several months before Christmas so it can be properly “aged” with rum or brandy, which I didn´t do. The result (even without the “aging”) is a very dense, spicy cake, with a dark color and strong flavor, that lasts for months when well kept. This is not a soft, fluffy cake but is a delicacy and the minute my “heirs” tasted it, it went straight to the top 10 of cakes of this household. They do love dense cakes, no doubt about it!
And now that I told you the stories, I leave you with the photos and recipes and no, this is not the last post before Christmas.
We will meet again before the big day!
Till then, be well :))
Note:The butter in these recipes is unsalted, the eggs are from freerange chickens and in the aletria and hot chocolate recipes, the milk is semi skimmed or full fat.
    

 

 

 

 

 

Advertisements